segunda-feira, 29 de maio de 2017

Espero.



Por Vitalina de Assis.




Tem dias em que acordo com a ansiedade sufocando-me em um abraço que insiste em não soltar, tento ficar serena, tento convencê-la a dar-me um tempo, tento dialogar, quem sabe assim, compreende meu desassossego e me solte por inteiro, ainda que por segundos. A tirana não me solta, finge amar-me e se diz feliz por possuir-me.

Por onde anda o amor? Não me completo e como posso na incompletude, completar o que quer que seja? Penso no destino... e na curva na qual diviso-o  mudar de lado. Poderias deixar de ser tão inconstante e paralisar-se um pouco?  Não! Um pouco não! Já fizestes isto em outra ocasião e quando pensei assentar-me na felicidade, levantou-se e seguiu adiante tão ligeiro que perdi seu rastro e me encontro no vácuo de emoções sentidas das quais a desmemoria, não se ocupa.

Que faço então? Respiro e dou conta de que estou viva e gritos silenciosos se fazem audíveis, no silêncio da minha alma.
Tenho ânsias de punir objeto de minha dor, angústia, ansiedade ou mesmo uma ausência, entretanto, punida estou.

Talvez não tenha um corpo, talvez não tenha um rosto, talvez nunca tenha sido real. Ou talvez seja um corpo, seja um rosto, seja real... em outro tempo, em outra vida, em um sonho qualquer. 

Vens sobriedade possuir-me disfarçadamente, aproxima-te da ansiedade, faz-lhe um afago, se ofereça em amores.  Ansiedade flerta e aceita a corte. Sinto afrouxar sua pressão sobre mim, sobriedade assume meus medos e angústias discursa calmaria.

Vejo luz, aquieta minhas entranhas.
Outra face – esperança sorri. Sorrio. Compreendo. Espero novamente. Imponho certeza. Espero.

9 comentários:

  1. Esperar é uma virtude!
    Bj e gosto deste momento poético

    ResponderExcluir
  2. Cheguei aqui vindo de Macau.
    E gostei tanto que vou ficar.

    ResponderExcluir
  3. Atravessei esse vasto oceano para te dar um abraço daqueles que duram e se soltam lentamente. Ansiedade e ambição eu afasto e não desejo a ninguém. O tempo completara essa ausência ou vazio mas precisa ser conquistado. Nada cai do céu que traga amor.
    Espero que esse abraço chegue.

    ResponderExcluir
  4. Tem aquele ditado que diz que: quem espera sempre alcança.
    Bela prosa poética.
    Obrigada pela visita lá na casa e volte quando quiser.
    Boa continuação de semana.
    janicce.

    ResponderExcluir
  5. Tem aquele ditado que diz que: quem espera sempre alcança.
    Bela prosa poética.
    Obrigada pela visita lá na casa e volte quando quiser.
    Boa continuação de semana.
    janicce.

    ResponderExcluir
  6. OLÁ,
    Cheguei até você através do belíssimo blog CASA DE MADEIRA da Janicce o qual sou seguidor faz muito tempo e quando li seu comentário sobre anjos tive a ideia de convidar você para que conheças os meus blogs .Ficaria muito honrado de pudesse ter você como minha leitora e quem sabe seguidora. Afinal a gente escreve para alguém concorda? A maioria dos seguidores da Janicce são meus também , mas no seu caso acho que não. Vamos compartilhar?
    Fique com Deus.
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo, obrigada pelo comentário. Transito pouco por este blog, minha linha de frente é o avessamente. Dê uma passadinha por lá quando tiver um tempinho.

      Abraços,
      Vitalina.

      https://avessamente.blogspot.com.br/

      Excluir
  7. EM TEMPO:

    SOU SEU MAIS NOVO SEGUIDOR!!!

    UM ABRAÇÃO CARIOCA.

    ResponderExcluir
  8. "A esperança é a última que morre". O amor é como a felicidade: quando menos se espera surge esses sentimentos, visto que a felicidade é um estado de espírito e o amor traz alegria. Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir

Seu comentário muito me honra. Sinta-se em casa.

Agradecida,

Vitalina de Assis.